14.12.09

Um homem e sua música


Frusciante em ação: a Fênix do rock em voo solo de novo
Dê um play no vídeo abaixo antes de ler o post. Vai fazer muito mais sentido.



John Frusciante é uma das figuras que mais admiro no chamado "rock n' roll". Mais conhecido por seu trabalho como guitarrista em vários discos e shows do Red Hot Chili Peppers, ele também tem uma extensa discografia solo (em 2004, num surto de criatividade, lançou 5 discos ao longo do ano). É dele o famoso riff de Under the Bridge, e também a perturbadora Going Inside.

Nunca fui muito fã dos Peppers, mas Frusciante me ganhou quando ouvi Shadows Collide With People, um de seus discos de 2004. Pesquisando um pouco na época, descobri que perturbadora mesmo era a sua história. Em 1992, depois do sucesso de Blood Sugar Sex Magik (que trazia Under the Bridge, Give It Away e outros hits) Frusciante largou a banda e se acabou na heroína. Quase morreu, perdeu vários dentes e etc. Em meados da década, uma equipe de TV holandesa que aparentemente fazia um documentário sobre os Chili Peppers o descobriu em sua casa, assim
:



O músico só voltaria a tocar com a antiga banda - já recuperado do vício - em 1999, com o lançamento de Californication (outro sucesso). A partir daí, o guitarrista também começou a levar mais a sério sua carreira solo (em 1995 e 1997 ele já havia lançado discos, mas, como ele mesmo declarou, era só pra arrumar grana pra heroína). Com influências como Jimi Hendrix e Lou Reed, Frusciante deixou um pouco de lado o funk rock do Chili Peppers pra construir canções mais obscuras, com temáticas tão conturbadas quanto sua própria trajetória. E cantando bem melhor que Anthony Kiedis, na minha opinião.

Recentemente, recebi uma ótima (e atrasada) notícia. Saíra no começo do ano o décimo disco dele. Batizado de The Empyrean, é altamente atmosférico, poético e parecia adiantar (mais) uma grande guinada na vida do músico. Músicas de 8 minutos, uma introdução meio parecida com Maggot Brain, alguma bateria eletrônica e falsetes indefectíveis. Era o John de sempre, mas alguma coisa estava diferente...


The Empyrean: estranho e belo como sempre

Bem, eu sempre me perguntei como um cara que escreve músicas como Dark/Light (veja abaixo) conseguia continuar fazendo farofada com uma mega banda como os Chili Peppers. Bem, a ideia de adiar esse post até agora - e o estranho pressentimento que veio com The Empyrean - acabou de fazer sentido. Descobri há poucas horas que Frusciante deixou (de novo) Kiedis, Flea e Chad Smith na mão. A informação ainda não é 100% oficial, mas parece que até já arrumaram outro guitarrista.



Bem, parece que a Fênix vai, finalmente, alçar um belo voo solo. Boa sorte, John. "Taí um que deveria ser descoberto antes de morrer", como diria um velho amigo.

Um comentário:

Lidia Zuin disse...

Quando foi remetido o nome desse cara ao Red Hot, fiquei um pouco "ew", mas aí continuei seguindo, me diverti com o vídeo dele on drugs e adorei a música do seu último trabalho. Esse efeito meio etéreo, ecoado, é muito legal. Gosto de músicas melancólicas também, pra ajudar. E a capa do cd é linda.