4.11.10

O pior de nós


E então parece que a eleição de Dilma (o que particularmente considero um avanço) despertou em muita gente preconceitos silenciosamente instalados ao longo de anos. Finda a contenda nas urnas, o argumento político (mal construído ou inexistente na maioria dos casos) dos derrotados deu lugar ao palco armado para a aversão ao brasileiro nordestino, e/ou ao migrante oriundo daquela região.

Não foram poucas as manifestações de intolerância e ignorância de cidadãos supostamente esclarecidos do Sudeste, que "culparam" os estados do Nordeste pela eleição da primeira chefe de estado do gênero feminino no Brasil. Tantas manifestações desse calibre inclassificável fizeram mais de uma pessoa que conheço e prezo chorar. É... "Isso sempre existiu, na verdade...", foi tudo o que pude dizer. E assim me lembrei de ver, pela janela da minha antiga casa, um bando de skinheads marchando e gritando palavras de ordem.

Fica o pesar. E também a esperança de que as pessoas que - de cabeça quente, imagino - dispararam ofensas indefensáveis contra parte do nosso país repensem o que disseram. Mas principalmente o pesar.

Odeio reproduzir qualquer coisa do tipo, mas esse site aqui ("o31deoutubro" http://bit.ly/bnT3pe) reuniu alguns dos piores exemplos do que se aconteceu depois do anúncio do resultado da eleição presidencial. Que sirva para nos envergonharmos. Por bem mais que os próximos quatro anos.

4 comentários:

Ana disse...

Estou chocada com esse blog cujo link você postou... Não tenho twitter, portanto não tinha noção desses absurdos que estavam sendo feitos... Que horror! Um show de ódio, preconceito barato e, ademais, erros de ortografia; pessoas que se acham superiores mas sequer sabem o idioma do país em que vivem. É realmente preocupante que no futuro nosso país esteja nas mãos de pessoas com este tipo de pensamento... E pensar que a Mayara Petruso é estudante de Direito!! A propósito, parabéns pelo post.

Bruno Guerra disse...

Ana, fico muito feliz com sua visita e com seu comentário, muito oportuno, por sinal! É bom saber que ainda há muita gente que consegue ficar indignada com esse tipo de coisa. Volte sempre!

Ana disse...

Citei este texto seu em uma postagem que fiz no meu blog sobre este assunto... Espero que não se importe, mas fiz tudo direitinho, coloquei link e nome. Okay?

Bruno Guerra disse...

Não me importo, não! Aliás, fico lisonjeado! Vou lá conferir!